Hoje tive um dia daqueles…. A minha paciência e as minhas ferramentas (que supostamente são muitas..) foram testadas até a exaustão pelos meus filhos. Muita gente hoje descreveriam os meus filhos como mal comportados ou até muito mal comportados…

Os brinquedos estavam pela casa toda, incluindo as almofadas do sofá. O televisor ligado com o som alto (mas acho que ninguém estava a ver). O chão  “condimentado” com migalhas e cereais. Ninguém interessado em ajudar com nada, além de que as lutas entre os meus dois filhos mais velhos eram constantes. Para facilitar o meu filho de 4 anos transformou-se num tigre que não percebia “línguas humanas” e só sabia responder rauuuuuurrrr e divertia-se a atacar o irmão mais novo….. (e eu quase que me transformei numa grande tigreza).

Mas eu sei que há sempre uma razão.

Muitas vezes estamos focados no comportamento específico da criança. Aquele comportamento indesejado que temos a nossa frente. Identificamos o comportamento como o problema, quando na realidade é um sintoma de algo mais profundo.

No Family Lab partimos sempre do princípio que a criança está a colaborar. Embora isto as vezes não pareça muito óbvio e a criança está a fazer tudo ao contrario (chamamos isso “colaboração espelho”). Mas a criança está sempre a querer ajudar (inconscientemente).

Vê este filme, com uma intervenção do Anthony Robbins. Trata-se de uma menina de 13 anos que se tentou suicidar. Um caso bastante particular, mas dá nos uma boa ideia de como a criança está sempre a colaborar…

VIDEO JÁ NÃO ESTÁ DISPONÍVEL 🙁

O caso da Hannah é um caso extremo, sem dúvida. Mas a mesma teoria sobre a colaboração da criança pode ser aplicada em relação aos comportamentos no dia-a-dia na família (e na escola).

De que forma é que o meu filho está a colaborar comigo? O que é que ele me está a querer dizer?

As vezes a verdadeira razão do comportamento pode ser desafiante decifrar. Mas muitas vezes se nos focarmos em parar por uns instantes, se decidirmos olhar além do comportamento, se pararmos com as tentativas de corrigir o comportamento errado… então sabemos, com alguma facilidade, o que se passa. E hoje foi um dia desses, em que eu sabia, muito bem, qual o “problema”… é que hoje foi o 9º dia consecutivo sem o Pai em casa. E eu sei, que hoje eu estava com muitas saudades, e os meus filhos também.

Quando o teu filho começa com um “comportamento indesejado“, começa por reagir lentamente! Para! Observa! Respira! Reflete! Faz perguntas! Reflete! Observa! VÊ o teu filho! E perceberás qual a real razão.

Há sempre uma razão. 

E ao perceberes a razão, vais poder escolher a tua estratégia com uma consciência bem diferente do que quando ages unicamente com o comportamento como base para a tua intervenção. Sendo que, ajudar o teu filho a gerir as suas emoções é um bom sítio para começar e se reagires com ultimatos, consequências e castigos passas uma mensagem muito diferente daquela que eu imagino que gostarias de passar…

 o teu filho e vais te ver a ti mesmo. Agradece a alerta e o convite para continuares no teu caminho de desenvolvimento pessoal.

X